Mi Buenos Aires Querido!


A minha chegada a Buenos Aires já começou triunfal! Eu cheguei pelas águas do Rio de La Plata, atravessando-o de balsa, vindo do Uruguai. A skyline da capital portenha vista por quem está no rio é simplesmente magnífica, uma das mais bonitas da América do Sul.

buenos_aires_skyline

Também já na minha chegada eu pude logo confirmar a tão conhecida fama dos argentinos. Eles não te dão moleza. Não havia nem saído da balsa ainda e já tinha um monte de gauchos se oferecendo a me dar uma cantada. Não demorou nadinha para que eu arrumasse um companheiro de viagem.

Um argentino típico, portenho (de Buenos Aires), um verdadeiro gentleman. Simpaticíssimo, inteligente, extremamente aculturado, cheio de lábia e de charme. Apaixonado por brasileiras e por futebol e, justamente por isso, completamente disposto a “perder” seu domingo inteiro só para me mostrar a cidade que tanto ama. Nada mal, eu pensei. Infelizmente eu não me lembro de seu nome, mas tive um dos passeios mais agradáveis de todos os que eu já fiz sem planejar.

Era um delicioso domingo ensolarado, ao sair da balsa eu aceitei fazer com ele um tour a pé pelo centro da cidade, pois não queria correr o risco de ser atacada ou roubada por aquele estranho que acabara de conhecer.

Ele foi me explicando tudo com muita categoria. O primeiro ponto turístico de Buenos Aires, e na minha opinião um dos melhores, é o Puerto Madero. Exatamente onde a balsa desembarca. Que beleza de lugar! Uma série de restaurantes em sequência, com uma autêntica gastronomia de alta qualidade, num porto histórico extremamente preservado e reconstituído para o deleite de nós, os turistas.

puerto_madero2 1

Já amei a cidade logo de cara. Como seria bom se todos os nossos portos brasileiros fossem também assim. Em Puerto Madero, destaque também para a arquitetura da badaladíssima casa noturna Opera Bay, que propositadamente lembra muito a ópera de Sydney, na Austrália.

discopuertomaderorecueryc9

Passado um tempo visitando o impressionante porto de Buenos Aires, simplesmente atravessamos a Avenida Eduardo Madero e já estávamos em seu centro histórico. Lá fomos conhecer os principais monumentos e prédios públicos da capital argentina próximos à belíssima Plaza de Mayo, incluindo a muito elegante Casa Rosada, o palácio do governo retratado pela foto abaixo que tirei junto com o meu cicerone argentino.

2

3

Depois caminhamos para a famosíssima Calle Florida, no centrão comercial da cidade, onde você vai poder se empanturrar com as mais legítimas das legítimas empanadas, com camelôs cheios de muambas, com saldões de pechinchas “imperdíveis” e com o comércio e a arte popular de rua. Vimos também ali perto o grande obelisco de Buenos Aires, importante ponto turístico da cidade.

Naquela época da minha viagem, a Argentina estava sofrendo uma das que seriam as mais destruidoras crises do país. Foi naquele período que os governos De La Rúa, e depois Adolfo Saá, haviam decretado o maior calote internacional de todos os tempos (foto abaixo de um dos banco falidos, no centro da cidade). O país estava completamente arruinado financeiramente, o povo estava totalmente quebrado, a economia estava profundamente negativa. Mas por incrível que pareça, Buenos Aires continuava lindo…

4

Uma das maiores belezas de Buenos Aires, é o suntuosíssimo Teatro Colón, considerado uma das opera houses mais bonitas do mundo. Eu atesto plenamente o fato. Mesmo quando vazio é um verdadeiro espetáculo por si só. Parada obrigatória na minha opinião. A visita a seu interior é um pouco mais cara para os estrangeiros, por volta de 100 (cem) pesos argentinos, mas eu desfrutei de cada centavo.

Adjacente ao centro, fica o bairro da Recoleta. Uma gracinha. Bem residencial, com parques arborizados, bons restaurantes, muitos jovens e botecos maneiríssimos como o Locos por El Fútbol, que eu recomendo uma curtida. Na Recoleta, já quase chegando em Palermo, fica também uma parte muito bonita da orla do Plata, muito bom de passear por ali.

Parece brincadeira, mas o Cemitério da Recoleta é uma das principais atrações turísticas do bairro, devido ao seu alto nível artístico e ao túmulo de Eva Perón. Lá dentro fica também o Centro Cultural Recoleta, com os importantes museus de arte moderna e design da cidade.

É lógico que para falar de Buenos Aires, não se pode deixar de falar do Tango. Simplesmente, AMO! A essa altura do passeio eu já não aguentava mais esperar para vê-lo. Finalmente pegamos um ônibus e nos dirigimos de volta ao centro, mas agora direto para o saudosíssimo bairro de San Telmo.

Ah… Mi Buenos Aires querido… Como me apaixonei por você! O legado do francês Carlos Gardel estava por toda a parte, em cada calçada de San Telmo, em cada rua desse bairro que é por inteiro um antiquário.

Feiras de antiquário, galerias de antiquário, camelôs de antiquário, leilões de antiquário… Tinha até gente que parecia antiquário. Um monte de tralhas lindíssimas e, talvez, quem sabe, raríssimas. Eu adorei.

Mas a preciosidade mais valiosa de San Telmo é com certeza a sua paixão pelo tango. Se no Brasil nós temos os malabaristas de sinal pedindo dinheiro na rua, em San Telmo os argentinos têm os artistas do tango. É de se embasbacar! Orquestras inteiras nas calçadas, com pianos, cordas, sopros e até percussão. A criatividade também transborda. Eles fazem muita palhaçada de si mesmos, é de morrer de rir. Eu doei orgulhosamente todo o trocado que eu tinha na bolsa, quase que fiquei sem nada para o resto da viagem.

5

6

7

9

Como shows noturnos de tango, são várias as opções a escolher. Os mais recomendados são o Señor Tango, ou o Esquina Carlos Gardel ou o Tango Porteño. Em geral todos incluem o jantar chiquérrimo regado a vinho argentino de primeira. Uma delícia. Eu diria que esses shows são os mais autênticos “cartões postais” de Buenos Aires.

Para finalizar o passeio, eu insisti para que fossemos também até o famoso bairro La Boca. Meu cicerone ficou meio ressabiado porque a Boca não é uma região muito segura, mas eu queria muito visitar o estádio La Bombonera. Não precisei nem insistir, porque ele era muito fanático pelo Boca Juniors. Fomos todos contentes caminhando para lá.

Fiquei encantadíssima com o característico colorido do bairro. É realmente de impressionar! Eu sempre me encanto muito com esses lugares que pintam as paredes de suas casas para alegrar a vida e encantar os turistas. A mim atingem em cheio, pois adoro cores. Passeamos bastante por ali até eu me cansar de tanto tirar foto.

680086-buenos-aires-la-boca-caminito-tango-large

Depois fomos direto para o estádio. Quando entramos lá dentro, ele não parava mais de “hablar“, me explicou tudinho umas três vezes. O estádio é realmente muito interessante. É extremamente apertado! A arquibancada tem uma inclinação bem mais acentuada que o normal, o que faz parecer aos torcedores que eles estão bem pertinho do campo e que podem gritar seus xingamentos praticamente dentro do ouvido dos jogadores. Já para quem está do lado de dentro, no campo, a arquibancada parece que vai te engolir. É muito legal! Ficou fácil de entender porque Diego Maradona ficava tão emocionado quando jogava ali. Deve ser de arrepiar…

8

Na saída, o fanático me obrigou a visitar o Museo de La Pasion Boquense que fica dentro do estádio… Tudo bem, vai, era o momento de retribuir tanta gentileza.

15

E foi assim que aquele domingo terminou. O cicerone a esta altura já havia se tornado um grande e queridíssimo amigo, que me deixou muitas saudades e histórias de uma linda cidade para contar. Por causa dele e de tantos outros fiquei com a melhor das impressões sobre o povo argentino. Não esquecerei jamais.

Ele ainda fez questão de me acompanhar até o porto para eu pegar a minha balsa de volta para Montevidéu (por falar nisso, não deixem de ler o post sobre o Uruguai!).

Já no Uruguai, pouco tempo depois naquele mesmo ano de 2002, o Brasil foi pentacampeão do mundo na copa do Japão/Coréia. Eu sei que aquele argentino foi muito gente boa, mas como brasileira, não pude deixar de enviar a ele a foto abaixo que eu tirei:

10

Anúncios
Esse post foi publicado em . Buenos Aires, América e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Mi Buenos Aires Querido!

  1. cleusa maria de oliveira disse:

    Mi Buenos Aires querido… pena que tenha uma Cristina Kirchner não querida.
    Gostei do Post.

    Curtir

  2. Pingback: Uruguai. Exemplo de simplicidade. Orgulho para o planeta. | As Viagens de Alline

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s